A Biblioteca Escolar, em colaboração com a disciplina de Inglês, lançou um desafio aos alunos, do 3.º ao 9.º Anos, no sentido de decorarem a Escola, em sintonia com a festividade do Halloween, tão expressiva nos países de Língua Inglesa.

A atividade, denominada “Halloween Pet’s”, consistiu numa exposição de trabalhos, sujeita a um regulamento, no qual se salientava que os alunos tinham de imaginar e criar um animal de estimação de uma bruxa. A participação era individual, os trabalhos a concurso, realizados com materiais recicláveis tinham de apresentar qualidade, imaginação e criatividade. O sorteio dos alunos premiados foi realizado no dia 31 de outubro, pelas 10h, sendo os prémios três vouchers de livros a e cinco Menções Honrosas. Os participantes excederam as melhores expectativas quer em número, como em qualidade dos trabalhos produzidos.

Para assinalar o Dia Mundial da Alimentação e sensibilizar os mais pequenos para uma alimentação saudável, a Biblioteca da Escola Cidade de Castelo Branco realizou sessões, nos dias 17 e 18 de outubro, integradas na Hora do Conto, destinadas aos alunos do Jardim de Infância. A professora Bibliotecária orientou a sessão com base no livro infantil “A Sopa Queima”, de Pablo Albo.

Os alunos ouviram atentamente a história lida e comentada pela professora Célia e interagiram, com entusiasmo, ao longo da sessão.

Após a exploração da história a professora Bibliotecária explicou, com a ajuda de imagens, a receita de uma sopa simples e saudável e desafiou os alunos para a sua confecção em casa, com pais ou avós. Foi também entregue aos alunos uma ficha com um prato de sopa vazio, para que os alunos, com o apoio das respetivas educadoras, o preencham com ingredientes de uma sopa saudável, pintando ou fazendo colagens, de acordo com a sua imaginação.

Os alunos manifestaram uma atitude correta tendo agradecido no final da sessão.

No dia 18 de outubro, a editora da Alma Azul, Elsa Ligeiro, esteve na Escola Secundária Nuno Álvares a promover, com a Biblioteca Escolar, uma “mostra de livros extraodinários”. Foram vários os escritores apresentados aos alunos que durante os intervalos da manhã pararam para folhear, ler excertos e conversar sobre os livros expostos. Clarice Lispector, Vergílio Ferreira, António Lobo Antunes, Gonçalo M. Tavares... atrairam aqueles que por ali passavam e, através de um título,de um parágrafo,de uma palavra, de uma ideia,  seduziram para a descoberta.

Como diz José Luís Peixoto, “Os livros, esses animais sem pernas, mas com olhar, observam-nos mansos desde as prateleiras. Nós esquecemo-nos deles, habituamo-nos ao seu silêncio, mas eles não se esquecem de nós, não fazem uma pausa mínima na sua vigia, sentinelas até daquilo que não se vê. Desde as estantes ou pousados sem ordem sobre a mesa, os livros conseguem distinguir o que somos sem qualquer expressão porque eles sabem, eles existem sobretudo nesse nível transparente, nessa dimensão sussurrada. Os livros sabem mais do que nós mas, sem defesa, estão à nossa mercê.”

 

Os alunos do 7º Ano da Escola Cidade de Castelo Branco participaram na atividade Literacia dos Media: “Apresento-me online”.

A atividade teve lugar na Biblioteca Escolar e desenvolveu-se em articulação entre a Biblioteca e a disciplina de Inglês. Inicialmente, os alunos começaram por ver apresentações na Internet, em contextos reais, seguindo-se o preenchimento de quadros acerca dessas visualizações. De seguida, houve um espaço de aprendizagem para os alunos refletirem sobre os perigos da Internet, tendo sido enunciadas algumas regras de segurança para um bom e profícuo uso daquele meio de comunicação social.

No final da atividade, foi feito um desafio, no sentido de cada aluno criar um produto mediático, consubstanciado na sua autoapresentação, sendo a mesma enviada à respetiva professora de Inglês.

A  Comunidade Escolar do AENACB encontrou resposta, junto de abalizado conhecedor.

Comemorando o Dia da Alimentação, 16 de outubro, a Biblioteca Escolar do AENCB convidou o Professor Doutor João Pedro Luz, que ofereceu a turmas de décimo e décimo segundo ano uma interessante e enriquecedora palestra, em torno do tema: “Os Cogumelos – Manjar dos deuses ou comida de risco?”.

O citado docente da Escola Agrária, na nossa cidade, inicialmente apresentado pelos professores Maria da Saúde Machado, responsável pela Biblioteca Centro de Recursos, e João Fernandes, pela disciplina de Biologia e Geologia, deu a conhecer inúmeras espécies de “fungos”, do conhecido míscaro ao para muitos ignoto “shiitake”, popular no Japão e tido como o mais apreciado no mundo. Nomeou os comestíveis e os não comestíveis, expondo métodos a seguir para o reconhecimento de uns e de outros (atendendo à cor, textura, cheiro, aspetos morfológicos, habitat, subsolo, época do ano); também os mais próprios da primavera (a maior parte) e os de outono (que envolvem maior risco). Explicou conceitos como o de “cogumelo decompositor” ou de “micorrizas”, identificando características, negativas e positivas, aos mesmos associadas. Expôs o Quadro Geral dos Macrofungos, distinguindo-os, desde os mais tóxicos aos dotados de propriedades medicinais consideráveis. Partilhou mesmo curiosidades como a de haver sido encontrado, nos Estados Unidos da América, o mais velho e pesado cogumelo do mundo,  verdadeiramente gigantesco, ou o preço astronómico atingido por certas “trufas”, ou a importância que desde a Antiga Civilização Egípcia vem sendo dispensada a esta “dádiva da Natureza”.

Distribuiu, enfim, conselhos úteis, havendo estimulado o auditório a, pelo menos, provar o “manjar dos deuses”, mas… com a necessária, imprescindível cautela.