As turmas de décimo ano da Escola Secundária Nuno Álvares têm vindo a visitar a Biblioteca Centro de Recursos, sendo convidadas a conhecerem o espaço, a despertarem para as mais-valias que o este poderá proporcionar-lhes e a saberem como mais e melhor usufruírem das mesmas.

Durante um tempo letivo de cinquenta minutos, os discentes, sob orientação das respetivas professoras de Português – Helena Diniz, Maria João Damas, Manuela Martins, Vera Oliveira e Saúde Machado – têm respondido ao desafio de um blibliopaper, especialmente conduzido pela anfitriã, a professora Saúde Machado, responsável pela BE/CR.

A partilha de informação, nesta “aula diferente”, visando a “formação do utilizador”, terá constituído, com indiscutível certeza, uma motivadora e profícua iniciativa, sobretudo para quem pela primeira vez frequenta a ESNA.

Com o intuito de sensibilizar a comunidade educativa para O Dia Internacional da Paz, celebrado no dia 21 de setembro, as turmas A e B do 9º ano, da Escola Cidade de Castelo Branco, aceitaram o desafio lançado pela Biblioteca Escolar e comemoraram esta efeméride fazendo origamis em forma de Tsuru.

Inicialmente, foi feita uma apresentação sobre a lenda e simbologia do Tsuru, ave sagrada do Japão, símbolo da saúde, da boa sorte, felicidade, longevidade e da fortuna. Os alunos ficaram a saber que foi diagnosticada a “Doença da Bomba Atómica” a uma menina, chamada Sadako. A sua melhor amiga foi visitá-la, tendo-lhe contado a lenda dos “Mil Tsurus”. Sadako, na esperança de os Deuses lhe concederem a cura, deu início aos origamis, tendo falecido, antes de concluir os mil Tsurus. Os amigos, inspirados na sua força, coragem e esperança, procederam à angariação de fundos, com vista à construção de um monumento em memória de Sadako e de todas as crianças que morreram, na sequência da Bomba Atómica. Em 1958, a estátua de Sadako, segurando um Tsuru dourado, foi construída no Parque da Paz, em Hiroshima. Crianças, envolvidas na campanha, formularam um desejo que ficou, para sempre, gravado na estátua: “Esse é o Nosso Grito. Essa é a Nossa Reza. Paz no Mundo”.

 

No dia 17 de junho decorreu na Escola Faria de Vasconcelos ao ar livre a atividade “Contos ao Luar”. Durante uma hora e meia, diversos “contadores” pais, avós e alunos encantaram a assistência num ambiente colorido fazendo deste serão uma viagem ao ritual ancestral da narração oral tendo a lua como companhia.

Este evento organizado pela Biblioteca Escolar pretendeu realçar a importância do conto tradicional como memória e identidade do nosso povo, recriando-se por um momento o tempo dos nossos avós.

No final um grupo de alunos quis fazer uma surpresa entoando uma canção com o  desejo de boas férias.

 

No passado dia 11, pelas 14.30h e 15.15h, no âmbito da disciplina de Português, em colaboração com a Biblioteca Escolar, as alunas Inês Almeida e Margarida Silvestre da Turma C, do 8.º Ano concretizaram a atividade “Leituras Partilhadas, lendo e comentando, aos alunos do 3.ºA e 3.ºB, da Escola Cidade de Castelo Branco, a história ”Tarte de Mamute”, de Jeanne Willis. As contadoras da história prenderam a atenção dos alunos e procuraram conduzi-los à descoberta da lição de moral ali presente: “A União faz a Força”, expressão popular simples, mas verdadeira e moralizadora.

 

 

 

 

No dia 13 de junho pelas 21h irá realizar-se na Escola Faria de Vasconcelos a atividade “Contos ao Luar”.

Este evento pretende realçar a importância do conto tradicional como memória e identidade do nosso povo, recriando-se por um momento o tempo dos nossos avós.