O projeto “Há Ciência na Cidade”, da Escola Cidade de Castelo Branco, inserido na rede nacional de Clubes de Ciência Viva na Escola, promoveu de 24 de novembro a 2 de dezembro, a exposição “No Mundo Natural”. A mostra apresentou um conjunto de aguarelas da autoria da professora e investigadora da Escola Superior Agrária de Castelo Branco, Luísa Ferreira Nunes.

A exposição esteve patente no átrio principal da escola e pôde ser visitada por toda a comunidade educativa. A iniciativa esteve integrada no Dia Mundial da Ciência e no Dia Nacional da Cultura Científica e foi coordenada pela professora Florinda Carrega.

 

 

Os alunos que integram os clubes de Ciências e Europeu e o projeto CCVnE – Há Ciência na Cidade, da Escola Cidade de Castelo Branco, realizaram um conjunto de trabalhos sobre o tema “Mulheres na Ciência”, o qual deu origem a uma exposição de cartazes. A mostra esteve patente na escadaria principal da escola de 24 de novembro a 2 de dezembro.

A iniciativa esteve integrada nas comemorações do Dia Mundial da Ciência e do Dia Nacional da Cultura Científica, tendo sido organizada pelos professores Florinda Carrega, Manuela Costa, José Domingos e Teresa Condeixa.

 

 

A investigadora e professora da Escola Superior Agrária de Castelo Branco, Luísa Ferreira Nunes, apresentou, no passado dia 24 de novembro, na sala de audiovisuais da Escola Cidade de Castelo Branco, a conferência “Mulheres Naturalistas do passado – mulheres na ciência”.

A sessão contou com as presenças do diretor do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares, António Carvalho, que realçou a importância da ciência na vida e no desenvolvimento da sociedade; e do coordenador da escola, Jorge Garcia.

A iniciativa reuniu várias dezenas de alunos e professores que encheram o auditório. Luísa Ferreira Nunes falou de um conjunto de mulheres cientistas e do seu percurso enquanto mulher cientista.

A conferência foi organizada pela professora Florinda Carrega, no âmbito do projeto “CCVnE – Há Ciência na Cidade” (inserido na rede nacional de clubes Ciência Viva), e integrou o programa das comemorações do Dia Mundial da Ciência e do Dia Nacional da Cultura Científica.

 

No dia 17 de maio, os alunos do 9.º ano da Escola Cidade Castelo Branco assistiram (em direto na sala de audiovisuais e online em casa ou na sala Smartspace) a uma palestra em que antigos alunos do AENA, Mariana Costa, Duarte Torres, Ana Matias e Ana Martins, deram o seu testemunho sobre os seus percursos de vida.

Esta atividade inseriu-se no “Projeto de Vida” que, no âmbito do Domínio da Articulação Curricular, os alunos do 9.º ano desenvolveram e cujo objetivo foi ajudá-los a fazer opções refletidas e conscientes que guiarão os seus percursos académicos.

Quanto ao interesse da atividade aqui ficam alguns testemunhos:

“Na minha opinião, a atividade foi muito interessante e enriquecedora. Creio que nos ajudou a todos, um pouco, a perceber alguns caminhos que poderemos percorrer no futuro. A variedade dos relatos foi uma mais-valia, pois pudemos ouvir tanto pessoas com idades mais próximas das nossas e que ainda se encontram a estudar, como pessoas mais velhas que já terminaram o seu percurso escolar e se encontram neste momento no mundo do trabalho.”

Inês Mendes, n.º 13,  9. ºD

“Achei a atividade muito interessante e também muito útil para conseguirmos perceber melhor as diferentes formas de atingir o nosso objetivo.”

Ana Bonifácio, n.º 1, 9.º A

Dia do Mediterrâneo 2022

Os alunos de 5.º e 6.º anos, orientados pelo Professor António Mateus, na disciplina de Educação Visual, participaram no Concurso de arte juvenil "Proteger o nosso Planeta e as nossas Casas" promovido pela Assembleia da República, no âmbito da 14.ª Edição do Dia do Mediterrâneo.

O trabalho submetido a concurso consistiu num vídeo onde se encontram representados, através de desenhos elaborados pelos alunos, os principais problemas que afetam a Nossa Casa Comum, relacionados, essencialmente, com as alterações climáticas.