No dia 6 de junho, Joana Galvão, técnica do 06 06 CCB CentroRecolhaAnimalCentro de Recolha Animal de Castelo Branco, veio conhecer a nossa escola e apresentar-nos o trabalho que desenvolve este centro em prol dos animais. Durante a visita, tivemos o prazer de lhe entregar o montante angariado pelos alunos da escola, através de uma ação desenvolvida pela coordenação dos diretores de turma e pela "Impressora de Sorrisos", mas que contou com o apoio de toda a comunidade educativa.
Joana Galvão foi recebida pelo Clube de Jornalismo CCB, a quem deu uma longa e interessante entrevista, que aqui reproduzimos em parte. Ficou prometida uma visita ao Centro de Recolha Animal para o próximo ano letivo.

Clube de Jornalismo da CCB

Clube de Jornalismo - O que distingue o Centro de Recolha Animal de um canil tradicional?
Joana Galvão – O que distingue o nosso centro é que não praticamos o abate. Os animais que lá entram são adotados e aqueles que não são adotados permanecem connosco. Outra coisa muito importante é que os animais são tratados com muito carinho e respeito, pois já passaram por muito (...).

Clube de Jornalismo - Apenas trabalham com animais abandonados ou também recebem, por exemplo, animais nos períodos em que os seus donos vão viajar e não os podem levar?
Joana Galvão – Não, neste momento funcionamos só com animais abandonados e não como hotel canino. Posteriormente vamos pensar no assunto, mas para já, não.

Clube de Jornalismo - Se uma pessoa necessitar de levar o seu animal ao veterinário, pode deslocar-se às vossas instalações?
Joana Galvão – Neste momento não estamos a praticar serviço de medicina veterinária para os animais externos ao centro. Sempre que aparece alguém a solicitar esses serviços, o que fazemos é recomendar mais do que uma clínica em Castelo Branco, que conhecemos e sabemos que fazem um bom serviço.

Clube de Jornalismo - Quantas pessoas trabalham no Centro de Recolha Animal e que tipo de trabalho desenvolvem?
Joana Galvão – Trabalham connosco 4 pessoas: um médico veterinário, uma enfermeira veterinária e duas pessoas que trabalham no serviço de limpeza, recolha de animais e alimentação.

Clube de Jornalismo - Quais são os serviços que proporcionam aos animais?
Joana Galvão – Nós proporcionamos aos animais um spa, os animais levam cócegas, fazemos a escovagem do pelo... e fazemos o serviço de treino canino, isto é, em vez dos animais estarem permanentemente fechados sem fazer nada, o que lhes causa tédio, nós brincamos com eles e fazemos com que eles se sintam importantes. O cão gosta de se sentir útil e de ter uma função diária, caso contrário fica triste e pode começar a fazer asneiras. Esses treinos diários pode ser andar à trela, ir buscar uma bola, puxar uma corda, ensinar a dar a patinha, a sentar-se... Assim quando forem para adoção já levam um comportamento que vai facilitar bastante (...).

Clube de Jornalismo - Como é que a sociedade em geral pode contribuir para o sucesso do vosso projeto?
Joana Galvão – Principalmente, a sociedade tem de começar a pensar que os animais devem ser tratados com carinho e responsabilidade. Quando se adota um animal, é preciso pensar que é para toda a vida. Não se adota porque é pequeno e giro, ou porque agora estou em casa, mas quando for de férias abandono-o. O animal é para ser tratado como se fosse um membro da família! É para ser tratado com carinho, é para brincar com ele e é preciso dar-lhe a tal função diária de que falamos há pouco (...). Outra forma das pessoas contribuírem é vacinarem os animais e "chiparem-nos", ou seja colocarem-lhes o chip que é a identificação eletrónica do animal (...). As vacinas são muito importantes e vão evitar que haja problemas de saúde pública. As zoonoses são doenças de animais que se transmitem ao ser humano, como por exemplo, a raiva, que é uma doença perigosas e contagiosa. Importante também é as pessoas apanharem os dejetos dos animais quando os vão passear (...).

Clube de Jornalismo – Muito obrigado pela colaboração.
Joana Galvão – Já agora faço aqui um repto: Sempre que encontrem um animal que tenha sido abandonado, que esteja ferido ou que vos pareça que está perdido, entrem em contacto com o Centro de Recolha Animal de Castelo Branco através do telemóvel 962054255, 24 horas por dia, 365 dias por ano.